sábado, 31 de março de 2018

Como comprar comidas naturais


Comprar alimentos naturais é uma alternativa saudável à compra de alimentos pré-embalados e processados. O conteúdo nutricional em alimentos integrais e naturais é maior devido ao menor processamento e aditivos nos alimentos. Embora possa ser um pouco mais caro, existem alguns passos que você pode tomar para obter a comida natural que você quer a um preço razoável.
Veja aqui como adquirir isso com seu cartão ticket.
Comprar em grandes quantidades:

·         Ao comprar alimentos naturais e orgânicos, comprar a granel pode economizar muito tempo e dinheiro.
·         Produtos como grãos, sementes e nozes são geralmente muito mais baratos quando
você os compra em grandes quantidades.
·         Certifique-se de calcular as economias em outros produtos.

Participar de mercados de agricultores:
·         Mercados de agricultores oferecem produtos cultivados localmente e outros alimentos naturais a um preço mais baixo, porque você está comprando diretamente do distribuidor, neste caso o agricultor.
·         Conversando com o fazendeiro. Você pode ser capaz de obter um preço mais baixo, se você comprar a granel ou planeja comprar dele ou dela em uma base consistente.
Participe de um co-op:
·         Essas organizações de propriedade de membros oferecem descontos aos participantes. As cooperativas são abastecidas com uma grande variedade de alimentos naturais, orgânicos e locais.
·         Além disso, muitas cooperativas preparam comida natural quente que você pode levar para o almoço ou levar para casa para o jantar.
Compre um compartilhamento de agricultura apoiada pela comunidade (CSA):
·         Os agricultores que cultivam produtos orgânicos trabalham com distribuidores ou como distribuidor e montam caixas de produtos com produtos sazonais para coleta ou entrega aos consumidores.
·         Você paga uma taxa adiantada para a estação de crescimento e freqüentemente uma pequena taxa semanal ou mensal.
·         Os preços são geralmente muito menores do que comprar em uma mercearia. Os consumidores recebem uma caixa semanalmente, cheia de qualquer produto que o agricultor tenha colhido naquela semana.

quarta-feira, 28 de março de 2018

Sabendo frutas e vegetais e as suas propriedades

Tão importante quanto saber que a quantidade de frutas e verduras que consumimos diariamente, é saber o que consumimos, como podemos conservar, e qual o benefício que elas trazem. O Livro Sábio de Frutas e Legumes, é uma publicação do Governo espanhol que explica muito bem todos os aspectos de cada uma das frutas e vegetais, a partir de suas variedades, a sazonalidade, até que suas propriedades nutricionais e como apreciá-los. Como esperado, a sazonalidade e de produção são baseados em Espanha, mas o resto da informação é universal.
Entre os frutos que são mencionados são:
  • Abacate ou Abacate
  • Damasco
  • Caqui
  • Cereja
  • Graviola
  • Ameixa
  • Framboesa
  • Morango e grande morango
  • Granada
  • Fig
  • Kiwi
  • Limão
  • Tangerina
  • Mango
  • Apple
  • Pêssego
  • Melão
  • Quince
  • Laranja
  • A nêspera
  • Pêra
  • Banana
  • Melancia
  • Uva
Com respeito para os legumes:
  • Acelga
  • Alho
  • Alcachofra
  • Aipo
  • Berinjela
  • Brócolis
  • Abobrinha
  • Abóbora
  • Thistle
  • Cebola
  • Col
  • Lombard
  • Couve-flor
  • Escarola
  • Escarola
  • O aspargo verde e branco
  • Espinafre
  • Ervilha-de-cheiro
  • Haba
  • Feijão verde
  • Alface
  • Nabo
  • Pimenta
  • Pepino
  • Alho-porro
  • Rabanete
  • Beterraba
  • Repolho
  • Tomate
  • Cenoura
Este livro, sábio pode funcionar como um dicionário geral de informações para nos contar mais sobre o que consumir.

quarta-feira, 7 de março de 2018

O Brasil assegura a melhoria na qualidade da água latino-americana, Sabesp promete.

A dificuldade no acesso a água de qualidade, os déficits de abastecimento e a precariedade do saneamento desafiam o desenvolvimento e o combate à pobreza na América Latina. Um novo centro regional com sede no Brasil vai monitorar o recurso para assim melhorar a sua gestão.Quem levou elogios, mesmo após a crise hídrica de São Paulo em 2014, foi justamente a Sabesp. O motivo? Quem já precisou retirar uma 2 via sabesp sabe. O atendimento ao público não deixa a desejar.

Um exemplo dos problemas da gestão da água representa a maior megalópole da américa latina e a quarta do mundo, a sul da cidade brasileira de São Paulo, que vive a pior crise hídrica de sua história por uma prolongada seca que deixou sem água e suas fontes de abastecimento, em um fenômeno vinculado à mudança climática.


Para prevenir crises como esta, o Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente (PNUMA) e a brasileira Agência Nacional de Águas (ANA) assinaram um memorando de entendimento, que tornou esta instituição em centro de monitoramento da qualidade da água na América Latina e o Caribe.

Além disso, a ANA promoverá a cooperação regional para reforçar essa vigilância.

"O Brasil será um" hub "(centro de atividade) para a região e atuará como coordenador de programas de treinamento que sejam realizados junto a outros países", indicou à Tierramérica o especialista em recursos hídricos da gestão estratégica da ANA, Marcelo Pires.

Detalhou que "o monitoramento, a metodologia de coleta de amostras e análise dos dados são muito úteis para os tomadores de decisão na gestão da água.

O centro regional também se encarregará de estruturar o estabelecimento de centros nacionais em cada país.

"Ainda não temos o diagnóstico preciso da situação, mas sabemos que na Argentina, Chile e Colômbia já existem centros de monitoramento avançados", disse Pires.

Além disso, a ANA vai agir como a interligação do PNUMA para a disseminação de informações sobre a qualidade do recurso hídrico, de acordo com os parâmetros de seu Programa de Água do Sistema Global de Monitoramento do Meio Ambiente (GEMS/Água).

Esse programa tem formado uma rede mundial de mais de 4000 estações de pesquisa com dados coletados em cerca de 100 países.

Desde 2010, a agência brasileira implementa um programa nacional de qualidade da água em todos os 26 estados e um distrito federal em que se divide o país, inspirado no GEMS/Água.

Pires lembrou que o acesso à água limpa, assim como a extensão do saneamento básico a toda a população, são condições básicas para o desenvolvimento do país.

Crise Hídricas no Brasil alertam para a necessidade de um novo modelo de gestão

A dificuldade de se garantir a qualidade da água, os déficits no abastecimento e a precariedade do saneamento desafiam o desenvolvimento e o combate à pobreza na América Latina. No Brasil, que sofre uma grave crise de água, terá sede de um novo centro regional, que acompanhará o recurso para melhorar a sua gestão. 

Um exemplo dos problemas da gestão da água representa a maior megalópole da américa latina e a quarta do mundo, a sul da cidade brasileira de São Paulo, que em 2014 começou a viver a pior crise hídrica de sua história, devido a uma seca prolongada que deixou sem água e suas fontes de abastecimento, em um fenômeno vinculado à mudança climática.



No Brasil, água e eletricidade unidos, o que dois anos de pouca chuva deixaram dezenas de milhões de pessoas à beira do racionamento de água e energia, fortalecendo os argumentos contra o desmatamento da Amazônia.Em São Paulo, seis milhões de pessoas podem chegar a ficar sem água. As chuvas de fevereiro deste ano, não afastou o risco e podem agravarão ao adiar um racionamento demandado, há meses, por hidrólogos.

De fato, nove milhões de 21 milhões de habitantes da Grande São Paulo estiveram pendentes de recuperação do Sistema Cantareira, um complexo de seis barragens unidas por 48 quilômetros de túneis e canais, cuja capacidade normal de fornecimento já se esgotou.

Como dois terços da energia elétrica brasileira provém de rios de adeptos, cujos fluxos baixaram a níveis alarmantes, foi reativado a necessidade de tomar medidas como reflorestar as margens dos rios e surgiram novas teses sobre o sistema elétrico.

As perdas agrícolas deixaram de ser a medida visível de secas na parte mais desenvolvida do Brasil. Este setor precisa de criatividade para conviver com a seca, como o demonstra Abel Manta, cuja fazenda em Semirárido, no Nordeste do país, destaca-se pelo verde da vegetação.