sexta-feira, 26 de agosto de 2016

Desenhos na humanidade

O desenho é uma das artes mais antigas no mundo, é ligado a grandes nomes da arte e é base para pinturas assim como esculturas.
É um suporte artístico para obras dimensionais, ele é inicialmente o processo de algo, o início e que dá molde para as futuras artes que saíram desse "esboço". Referente ao processo do qual uma superfície é marcada da pressão de algum instrumento que pode desenhar ou demarcar, como lápis, caneta ou pincel, sendo movida para surgirem pontos, linhas e formas planas, que futuramente se tornam desenhos para colorir ou para preencher.

O que é obtido por meio dessas linhas e formas é conhecido como desenho, ou seja, um desenho é uma forma bidimensional que é derivado de um monte de linhas, formas e pontos que um dia serviram como base para o que ficou no final.
Um dos desenhos mais conhecidos e famosos do mundo foi desenvolvido por Leonardo da Vinci, você já deve ter ouvido falar do Homem Vitruviano, uma das artes precursoras na arte da anatomia humana.
O desenho geralmente tem alguma relação pessoal com o seu autor ou desenhista, pois vem de sua bagagem e repertório para adquirir a forma desejada. Geralmente é a imitação da realidade por meio da bidimensionalidade ou até mesmo a tridimensionalidade.

O desenho pode ser o fim ou o começo, depende da arte e do que será feito com ele. Pode ser apenas um esboço para algo que será complementado mais tarde, apenas uma composição de elementos estruturais de uma obra futura.
O desenho é usado como base para muitas construções desenvolvidas por engenheiros, arquitetos e artistas, toda a base é primeiro projetada no papel por meio do tão conhecido esboço.

Depois com alguns toques e também projeções em máquinas e programas de computador, é possível dar outras formas aquilo que se vê.

quarta-feira, 24 de agosto de 2016

Ziraldo e sua história

Um dos maiores nomes do desenho e cartunistas brasileiros, é o Ziraldo Alves Pinto, conhecido como Ziraldo. É considerado cartunista, pintor, dramaturgo, chargista, colunista, humorista, desenhista e colunista em vários jornais e revistas brasileiros.
Iniciou sua carreira no Jornal Folha da Manhã, o que hoje conhecemos como Folha de São Paulo no ano de 1954 em uma coluna especialmente destinada para a comédia. Ficou famoso e conhecimento nacional ao começar a trabalhar na revista O Cruzeiro no ano de 1957 e logo após no Jornal do Brasil em 1963, muitos de seus personagens conquistaram muitos leitores assíduos desses tipos de mídia.

No ano de 1960, foi responsável pelo lançamento da primeira revista brasileira feita em quadrinhos, conhecida como a Turma do Pererê, o que também revolucionou a arte no Brasil por ser a primeira revista com cores que foi totalmente produzida em solo nacional. Com o início da ditadura militar no Brasil, a revista teve seu cancelamento ano de 1964, sendo relançada em meados dos anos 70 pela Editora Abril, mas sem o mesmo sucesso que existiu quando lançada na primeira vez.
Nos anos 60, Ziraldo recebeu o prêmio Internacional de Humor em Bruxelas, assim como o prêmio Merghantealler, a principal premiação da imprensa livre aqui na América Latina.
Foi o fundador e diretor do tabloide periódico chamado de O Pasquim, com posição contrária ao regime militar, provavelmente uma das principais causas de sua prisão nos anos 60.

É responsável também pelo querido e famoso Menino Maluquinho, lançado em 1980, sendo o maior sucesso editorial de seu nome, adaptado mais tarde para a televisão e para o cinema nacional.

Até hoje Ziraldo está muito ativo em várias revistas brasileiras, um de seus sucessos mais recentes é a Revista Bundas, uma sátira da revista Caras, onde satiriza a elite brasileira e a rotina de festas e ostentação de grandes nomes brasileiros.